CASTELO INTERIOR – Cap 2,8-11 e 13

  1. Pois voltemos ao nosso castelo de muitas moradas. Não haveis de imaginar estas moradas uma após outra, como coisa alinhada; mas ponde os olhos no centro que é a casa ou palácio onde está o Rei, e considerai-a como um palmito, que, para chegar ao que é de comer, tem muitas coberturas que cercam tudo quanto é saboroso. Assim aqui, em redor desta morada, há outras muitas e também por cima. Porque as coisas da alma devem-se considerar com amplidão, largueza e grandeza, e nisto não há demasia, pois tem maior capacidade do que nós poderemos considerar, e a todas as partes dela se comunica este Sol que está no palácio. Isto importa muito a qualquer alma que tenha oração, pouca ou muita: que não a tolha nem a aperte. Deixe-a andar por estas moradas, em cima, em baixo e aos lados, pois Deus lhe deu tão grande dignidade; não se obrigue a estar muito tempo num só aposento! Oh! mas se é no próprio conhecimento! E quão necessário é isto (vejam se me entendem), mesmo aquelas que o Senhor tem na mesma morada em que Ele está, pois – por mais elevada que esteja a alma -, não lhe cumpre outra coisa, nem poderá, ainda que queira que a humildade sempre fabrica o seu mel, como a abelha na colmeia; sem isto, tudo vai perdido. Mas consideremos que a abelha não deixa de sair e voar para trazer flores; assim a alma no próprio conhecimento: creia-me e voe algumas vezes a considerar a grandeza e a majestade do seu Deus. Aqui achará a sua baixeza, melhor que em si mesma, e mais livre das sevandijas, que entram nas primeiras moradas, que são as do próprio conhecimento; ainda que, como digo, é grande misericórdia de Deus que a alma se exercite nisto, pois tanto se peca por excesso como por defeito, – costuma-se dizer-. E creiam-me que, com a virtude de Deus, praticaremos muito melhor a virtude do que muito presas à nossa terra.
  2. Não sei se fica bem dado a entender, porque é coisa tão importante este conhecermo-nos, que não quereria que nisso houvesse nunca relaxação, por muito subidas que estejais nos céus; pois, enquanto estamos nesta terra, não há coisa que mais nos importe que a humildade. E assim volto a dizer que é muito bom e muito melhor tratar de entrar primeiro no aposento onde se trata disto, que voar aos demais, porque este é o caminho; e, se podemos ir pelo seguro e plano, para que havemos de querer asas para voar? Mas procure-se como aproveitar mais nisto; e a meu ver, jamais acabamos de nos conhecer se não procurarmos conhecer a Deus; olhando à Sua grandeza, acudamos à nossa baixeza; e olhando à Sua pureza, veremos nossa sujidade; considerando a Sua humildade, veremos como estamos longe de ser humildes.
  3. Há dois proveitos nisto: o primeiro, está claro que uma coisa branca parece muito mais branca ao pé duma negra e, ao contrário, a negra ao pé da branca. O segundo é, porque o nosso entendimento e nossa vontade se tornam mais nobres e mais dispostos para todo o bem, quando, às voltas consigo mesmos, tratam com Deus. E se nunca saímos do nosso lodo de misérias, é coisa muito inconveniente. Assim como dizíamos dos que estão em pecado mortal quão negras e de mau odor são seus cursos de água, assim aqui (ainda. que não são como aqueles, Deus nos livre, que isto é só comparação), metidos sempre na miséria da nossa terra, nunca o curso sairá do lodo de temores, de pusilanimidade e cobardia: de olhar a se me olham, se me não olham; se indo por este caminho, me sucederá mal; se ousarei começar aquela obra, se será soberba; se é bom que uma pessoa tão miserável trate de coisa tão alta como a oração; se me hão de ter por melhor não indo pelo caminho de toda a gente; que não são bons os extremos, mesmo em virtude; que, como sou tão pecadora, será cair de mais alto; não irei talvez por diante e farei dano aos bons; uma como eu não precisa de singularidades.
  4. Oh! valha-me Deus, filhas, quantas almas deve o demônio ter feito perder muito por este meio! Tudo isto lhes parece humildade e outras muitas coisas que pudera dizer, vem de nunca acabarmos de nos entender; rende-se o próprio conhecimento, e, se nunca saímos de nós mesmos, não me espanto, que isto e mais se possa temer. Por isso digo, filhas, que ponhamos os olhos em Cristo, nosso Bem, e ali aprenderemos a verdadeira humildade, e em seus santos, e enobrecer-se-á o entendimento – como disse -, e não ficará o próprio conhecimento rasteiro e cobarde; pois que, embora esta seja a primeira morada, é muito rica e de tão grande preço e, se se escapa das sevandijas que nela há, não se ficará sem passar adiante. Terríveis são os ardis e manhas do demônio para que as almas não se conheçam a si mesmas nem entendam Seus caminhos.
  5. Que miserável é a vida em que vivemos! Porque, em outra parte, disse muito do dano que nos faz, filhas, não entender bem isto da humildade e do próprio conhecimento, nada mais vos digo aqui, ainda que seja o que mais importa, e praza a Deus tenha dito alguma coisa que vos aproveite.
Anúncios